Você pode estar pensando em fazer um movimento vertical dentro da empresa que trabalha, um movimento de ida para outra empresa ou até mesmo desenhar uma nova carreira. Com o aumento de pessoas buscando o autoconhecimento e o equilíbrio em todas as áreas da vida, vejo, cada vez mais, a busca por novas carreiras. As pessoas têm mais clareza em relação ao que querem e o que não para suas carreiras.

Segundo Joel Dutra, é importante saber que existem algumas etapas de um processo de transição de carreira que todo profissional que optar por isso vai passar:

Racional – o profissional percebe que dentro da empresa que trabalha não tem mais espaço para o seu crescimento, não tem mais perspectivas de desenvolvimento de sua carreira. Fica em uma situação de ambiguidade, que é abandonar a zona de conforto e enfrentar o desconhecido. Tem clareza que enfrentará um grande desafio.

Você deve conhecer pessoas que estão nesse momento da carreira ou pode ser você mesmo. O profissional já não faz mais suas entregas como fazia anteriormente, não participa ativamente das reuniões, está sem energia para levantar da cama e iniciar sua jornada de trabalho, se ausenta muito e começa a receber feedbacks negativos do gestor. Notadamente não está mais feliz com seu trabalho.

Emocional – associamos a nossa marca à empresa que trabalhamos e isso gera uma dificuldade, uma sensação de perda da identidade profissional. É preciso renunciar a marca antiga para assumir a nova, mesmo que seja dentro da mesma empresa, em um novo cargo por exemplo.

Somos conhecidos pelo nosso nome seguido do nome da empresa que trabalhamos. Dissociar isso não é tão fácil. Fazer uma mudança de carreira gera medo e insegurança e isso é totalmente natural. E por isso as pessoas relutam em mudar. Continuam nos empregos que não as fazem felizes tentando convencer a si mesmas com as mais variadas justificativas como, ah, eu já conheço todo mundo, já sei como o meu gestor “funciona”, recebo o salário todo o final do mês certinho. Sim, tudo é importante e dependendo de qual é a sua âncora de carreira alguns fatores são mais importantes que outros, mas ser feliz no trabalho também é importante.

Limbo – nesse momento o profissional já renunciou a identidade antiga, mas não assumiu a nova por completo ainda. Se esse período durar muito tempo pode trazer uma depressão.

Por isso é tão importante que as pessoas se preparem para a aposentadoria. Temos uma perspectiva de vida muito maior do que há alguns anos. Hoje as pessoas se aposentam jovens e tem muito a contribuir ainda com a sociedade, além de se sentirem ativas.

Consolidação da nova carreira – precisa se reinventar, talvez alguns comportamentos e hábitos antigos devam ser ressignificados.

Geralmente esses são alguns dos motivos que fazem com que o profissional queira fazer uma transição de carreira:

  • Não vê mais sentido no que faz.
  • Está estagnado e desmotivado, não vê perspectivas no trabalho atual.
  • Trabalha em uma empresa em que os valores não são congruentes com os seus.
  • Comparando com o mercado percebe que não é bem remunerado.
  • Sente que está desperdiçando energia em algo que não traz o retorno que espera.
  • Não consegue se imaginar fazendo a mesma coisa para o resto da sua carreira.
  • Não trabalha com o que gosta.
  • Não consegue equilibrar as outras áreas da vida.

Não é tão simples como parece e é preciso trilhar um caminho para fazer uma transição de carreira mais tranquila. É um período de muitos questionamentos, ansiedade, dúvidas, receio de errar. Mas você pode seguir alguns passos que irão te ajudar:

  1. Você tem uma história de carreira, então avalie suas competências. Liste suas habilidades técnicas e comportamentais. Tenha clareza das suas qualidades. Pense em todos os resultados que você teve e o que agregou nas empresas que passou. E escreva para ter consciência e clareza.
  2. Avalie todas as competências que você ainda precisa desenvolver. Quais ajustes devem acontecer para você atingir o que deseja? Quais habilidades você precisa adquirir para ter sucesso na nova área?
  3. Analise o mercado que deseja trabalhar. Pesquise para entender se de fato é o que você quer. Converse com pessoas do seu networking, faça entrevistas, leia, procure os resultados da área que você deseja trabalhar.
  4. Tenha clareza do que você deseja. O que você quer mudar e por que você quer mudar? A nova carreira vai proporcionar o que você está buscando? Vai atender seus motivadores de carreira?
  5. Se você sabe o que não gosta de fazer, mas ainda não descobriu o que gosta verdadeiramente invista em autoconhecimento para que sua nova escolha seja mais assertiva.
  6. Se tiver dificuldade em passar por todos esses pontos sozinho, busque um profissional para te ajudar, mas tome uma atitude. Não espere passar 10 anos para perceber que sua carreira é o maior motivo de infelicidade na sua vida.

Fazer uma transição de carreira é totalmente possível, mas exige planejamento, preparação e paciência. Se esse é o seu momento invista um tempo para se dedicar a esses passos e não tenha medo, passe pelo processo com consciência e alcance o resultado que espera.

“A melhor maneira de prever o futuro, é cria-lo.” Peter Drucker

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Conteúdo relacionado